Doe

Sociedade civil divulga manifesto em defesa do meio ambiente

22/10/2018, às 12:11 (atualizado em 16/03/2019, às 22:54) | Tempo estimado de leitura: 3 min
Documento assinado pelo Inesc condena ideias como a de retirar o Brasil do acordo climático e mudar a lei do licenciamento ambiental.

Um conjunto de redes e organizações da sociedade civil, entre elas o Inesc, divulgou, na última sexta-feira (19), um manifesto em defesa do meio ambiente. As instituições que assinam o documento consideram que a extinção ou enfraquecimento dos órgãos ambientais pode provocar a explosão das taxas de desmatamento e colocar “em risco quatro décadas de avanços na proteção do meio ambiente”. Lembram ainda que, conforme os cientistas, caso a derrubada da floresta ultrapasse 25% (hoje ela está em 19%), a Amazônia pode se transformar numa savana, o que colocaria em risco o regime de chuvas de grande parte do país.

As organizações reforçam que uma possível saída do Brasil do acordo de clima pode prejudicar o comércio e a imagem internacionais do país tendo em vista as crescentes exigências do mercado quanto à sustentabilidade.

O texto, intitulado “Desvalorizar o meio ambiente é um risco para todo brasileiro” ainda chama atenção para os riscos do enfraquecimento ou fim do licenciamento ambiental; da facilitação do uso de agrotóxicos; da abertura das áreas protegidas a atividades de alto impacto ambiental; e do “fim do ativismo” no país.

“Meio ambiente é coisa séria. Diz respeito à nossa qualidade de vida e ao mundo que deixaremos para nossos filhos, seja qual for a nossa forma de pensar, agir e lutar. A sua proteção constitui direito fundamental de toda a sociedade brasileira, configurando-se como pauta apartidária. O próximo Presidente da República tem o dever de reconhecer e se comprometer com a proteção das conquistas ambientais da sociedade. É preciso caminhar em direção à Constituição Cidadã; não se afastar dela”, alerta o manifesto.

Reportagem do site Investimentos e Direitos na Amazônia, iniciativa do Inesc,  alertou que caso o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro seja eleito no próximo domingo (28/10), o que a Amazônia brasileira e a área ambiental de maneira geral podem esperar é um cenário de aumento de 268% no desmatamento, saída do Acordo de Paris, mineração e grandes obras.

*Com informações do site do ISA

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • “Funai se transformou em Fundação Anti-ind...
    Sob o governo Bolsonaro, a Fundação Nacional do…
    leia mais
  • Fundação Anti-indígena: um retrato da Funa...
    Este documento, produzido pelo Inesc e pela associação…
    leia mais
  • Agência Brasil (CNA/Wenderson Araujo/Trilux)
    Inesc discute proposta de regulamento euro...
    A União Europeia colocou em discussão uma proposta…
    leia mais
  • Inesc representa a sociedade civil brasileira na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, em reunião temática sobre o Acordo Comercial Mercosul. Foto: Tiago Rodrigues/Amigos da Terra Brasil.
    Acordo de comércio entre Mercosul e União ...
    A Frente Brasileira Contra o Acordo Mercosul-UE e…
    leia mais
  • Quem vai pagar a conta pela estabilização ...
    Os preços dos combustíveis e gás de cozinha…
    leia mais