Doe

Saiba como foi a inauguração da exposição Para Além das Algemas

10/12/2018, às 14:11 (atualizado em 16/03/2019, às 22:55) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Luana Gomes
A mostra de fotografias tiradas pelos adolescentes foi inaugurada na estação do metrô de Brasília com diversas apresentações de arte e cultura
Foto: Matheus Alves

Com o objetivo de provocar reflexão sobre a realidade de jovens em privação de liberdade, o Instituto de Estudo Socioeconômicos (Inesc) por meio do projeto Onda, ação Vozes da Cidadania, inaugurou nesta quarta-feira (05) a exposição fotográfica “Para Além das Algemas”. O evento de abertura ocorreu na estação Galeria dos Estados do metrô de Brasília e contou com a presença de jovens que participaram de medidas socioeducativas desenvolvidas nas unidades de internação do Recanto das Emas (UNIRE), São Sebastião (UISS) e de Santa Maria (UISM).

As pessoas que transitavam pela estação no horário de pico tiveram a oportunidade de assistir a um sarau com apresentações de teatro, música, e poesia por jovens artistas integrantes de projetos idealizados pelo Inesc, e muita dança charme com o grupo pegada Black.

Foto: Matheus Alves

A estudante Aires Malheiros relata que passou a entender mais sobre os direitos humanos quando ingressou no curso de serviço social e, ao percorrer a galeria, se sentiu na obrigação de parar, atraída pelo tema da exposição. Malheiros contou que as fotos despertaram a reflexão sobre quantas histórias possuem atrás de uma algema. “Quem sou eu para julgar esses adolescentes que estão privados de liberdade?”, questionou a estudante. “As fotos retratam o quanto estamos sendo falhos com a educação no nosso país e com a busca de soluções para tentar ajudar esses jovens em privação de liberdade. A exposição mexe muito com a gente que acredita que a educação pode transformar esses jovens”, afirmou.

A produção da exposição Para Além das Algemas contou com uma equipe de educadores/as que possuem experiências com jovens das periferias do Distrito Federal. Webert da Cruz, educomunicador que faz parte da equipe que desenvolveu o projeto, ressalta que os jovens participaram de várias formações sobre Direitos Humanos e conhecimento sobre a periferia onde eles vivem. “Me sinto orgulhoso da nossa equipe de trabalho, pois quando vamos trabalhar com o socioeducativo nós construímos vínculos, convivência e respeito”, celebrou. “Trabalhar no socioeducativo não é fácil, nesse projeto tivemos o desafio de trazer o olhar deles para o que acontece dentro da unidade de internação. Onde eles passam o tempo, mas não conseguem enxergar o mundo que há em volta deles e atrás das algemas”, contou.

Foto: Matheus Alves

Durante o evento de abertura da exposição também estiveram presentes a primeira dama do Distrito Federal Marcia Rollemberg, o Deputado eleito Fábio Félix, que defenderam os direitos humanos e as medidas socioeducativas para os adolescentes, e parabenizaram a equipe do Inesc pelos trabalhos realizados durante toda sua trajetória na defesa dos direitos.

Na ocasião, também foi lançado e distribuído gratuitamente o livro de poesias escrito pelos jovens adolescentes em medida socioeducativa “Se a história é nossa, deixa que nóis escreve”.

 

Fotos: Matheus Alves

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Foto: EBC
    E a educação pública poderá ir para o ralo...
    Final de 2020, em meio a tantas notícias…
    leia mais
  • Festival Territórios celebra Semana dos Di...
    Comemorado no dia 10 de dezembro, o Dia…
    leia mais
  • Jovens de projetos do Inesc participam de audiência púbica online na CLDF
    Jovens dos projetos Onda e Corre lançam ma...
    No último dia 4, jovens de 13 regiões…
    leia mais
  • Inesc participa da Audiência sobre Orçamen...
    No dia 4 de novembro, às 19h, acontece…
    leia mais
  • Projeto Onda debate direitos humanos e orç...
    Há mais de 10 anos, o Onda: Adolescentes…
    leia mais