Doe

Mineradora Vale promove a intensificação do conflito fundiário em Canaã de Carajás

03/03/2017, às 18:07 | Tempo estimado de leitura: 4 min
Seguradoras da empresa foram indiciados por lesão corporal após confronto com agricultores no sudoeste do Pará. Reportagem do site The Intercept Brasil.

Conflitos por terra não são novidade alguma no Brasil, muito menos no Pará, onde milhares de trabalhadores rurais, ativistas e ambientalistas já foram assassinatos por pistoleiros por estarem no caminho de grandes esquemas de grilagem ou ocupação ilegal de propriedades fundiárias. Não raro há grandes empresas ou fazendeiros por trás desses esquemas.

Recentemente tivemos mais um caso de conflito violento na região que pode aumentar as estatísticas fatais no Pará: seguranças da mineradora Vale, que atua no município de Canaã dos Carajás, foram indiciados por lesão corporal após agredirem trabalhadores rurais. Segundo reportagem publicada pelo site The Intercept Brasil, os agricultores faziam reparos em uma cerca de arame que separa a propriedade da família deles da estrada de ferro da mineradora Vale, quando foram agredidos com socos, pontapés, spray de pimenta e coronhadas por ao menos oito seguranças da empresa Prosegur, a serviço da mineradora.

A cerca está em área da mineradora, mas, segundo a família, a empresa não cumpriu com uma obrigação judicial de separar os dois terrenos, o que teria provocado a fuga de animais dos fazendeiros. A Vale alega que eles invadiram a propriedade da empresa e que seus seguranças agiram em legítima defesa. Desde sua chegada à região, a empresa é acusada de uma série de práticas abusivas e ilegais.

Para Alessandra Cardoso, assessora política do Inesc, a área do Grande Carajás, no Pará, é muito estratégica para a indústria de mineração, por concentrar a maior reserva de minério de alto teor de ferro do mundo, além de contar com reservas de outros metais como cobre, níquel e bauxita

“Devido ao seu potencial riquíssimo, a Vale tem uma visão de higienizar a área, cercá-la, ter seu domínio territorial. Temos então um processo de conflito fundiário muito intenso, no qual pequenos posseiros tentam se manter, diante de uma empresa que quer limpá-los dali”, afirma Alessandra na reportagem do Intercept Brasil.

Leia aqui a reportagem completa.

Leia também: Lucro da Vale expõe os abusos socioeconomicos da mineração no Brasil

Vamos falar sobre questões socioambientais?


Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Atuação da Rede de Ativistas pela Educação...
    leia mais
  • Inesc promove oficina de formação sobre or...
    “A defesa dos nossos territórios perpassa pela esfera…
    leia mais
  • Brasília - Casa da Mulher Brasileira ( Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)
    Casa da Mulher Brasileira não recebe verba...
    Um levantamento inédito do Inesc para o canal…
    leia mais
  • Foto: Geuza Morgado/CPT Marabá
    Mulheres promovem ato contra a mineração d...
    “Foi um rico processo político-afetivo no qual mulheres…
    leia mais
  • Se Bolsonaro perder, a extrema direita ain...
    As eleições presidenciais de 2022 estão eivadas de…
    leia mais