Doe

Mapa das Desigualdades do Nossa Brasília vai revelar as muitas cidades da capital federal

24/10/2016, às 14:55 | Tempo estimado de leitura: 5 min
O levantamento está sendo feito em parceria com o Inesc e a Oxfam Brasil, começando pelas regiões administrativas de Samambaia, São Sebastião e Estrutural.

Do Movimento Nossa Brasília.

Medir a desigualdade nos territórios e servir como uma fonte popular para explicitar a disparidade entre as regiões. Este é o objetivo do Mapa das Desigualdades que está sendo elaborado pelo Movimento Nossa Brasília, Inesc e Oxfam Brasil, e que se propõe a ser uma construção colaborativa nas regiões selecionadas para o início do trabalho.

O Mapa das Desigualdades possibilita visualizar as desigualdades no território ao comparar regiões e permite que se compare saúde, educação e outras políticas garantidoras de direitos, mostrando como estão distribuídas pelas cidades do Distrito Federal.

“Nós sabemos que as cidades não são iguais, existem várias cidades dentro das cidades”, explica Cleo Manhas, integrante do Nossa Brasília e uma das idealizadoras da proposta. Como o Distrito Federal é um território muito amplo e com várias cidades, o grupo optou por iniciar o trabalho de levantamento participativo dos indicadores em 3 regiões administrativas onde já tem incidência: Samambaia, São Sebastião e Estrutural.

Ouvindo movimentos e parceiros locais, o Nossa Brasília pretende reafirmar o protagonismo da sociedade civil na validação de informações sobre a região onde vivem. “A gente vai primeiro ver quais as expectativas deles, qual o entendimento deles sobre as políticas locais e as principais políticas em destaque, e vamos fazer um comparativo com os indicadores que a gente já tinha separado, e junto com eles escolher quais representam as regiões”, diz Cleo ao explicar a metodologia elaborada para este processo que se inicia com atividade em Samambaia no dia 22 de outubro.

Leia também:

Moradia adequada deve estar no centro das políticas urbanas, diz ONU

Direito à cidade será mencionado pela primeira vez em acordo das Nações Unidas sobre desenvolvimento urbano

Novo sinal da estupidez rodoviária em Brasília

Essa experiência é uma reaplicação de uma metodologia desenvolvida pela Rede Nossa São Paulo, com o destaque da inovação da proposta envolver o diálogo com a comunidade, com a participação de movimentos locais ao estabelecer indicadores prioritários regionais. Ao final deste levantamento nas 3 cidades selecionadas, a equipe do Nossa Brasília sistematizará as informações coletadas e fará uma comparação com dados disponíveis sobre o Plano Piloto, considerada uma das regiões com maior índice de desenvolvimento do país, alimentando a Plataforma Cidades Sustentáveis. O resultado ficará disponível para acesso e uso público na página do movimento na internet.

Com indicadores desagregados e o resultado da comparação com regiões privilegiadas, a população pode ter maior clareza de como está seu território, quais suas necessidades e como estão sendo destinados os recursos públicos na gestão das cidades, tendo às mãos informações mais qualificadas e uma nova ferramenta para fazer incidência junto ao governo para que as prioridades sejam atendidas. Desta forma, “os indicadores contribuem para que as políticas públicas sejam melhor planejadas e melhor aplicadas”, como conclui Cleo Manhas sobre a importância do Mapa.

O Movimento Nossa Brasília pretende lançar o Mapa das Desigualdades ainda no fim de novembro de 2016, em um evento que discuta e aprofunde o direito à cidade e as características regionais do Distrito Federal.

Calendário das oficinas do Mapa das Desigualdades nas cidades:

22/out – Samambaia
29/out – São Sebastião
05/nov – Estrutural

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Foto: José Cruz/Agência Brasil
    Orçamento secreto é controlado por pequeno...
    O orçamento secreto movimentou entre 2020 e outubro…
    leia mais
  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais
  • Estudo lançado na COP 27 revela que Brasil...
    O fomento aos combustíveis fósseis no Brasil alcançou…
    leia mais