Doe

Maioria entre candidatos com nomes de cargos militares e religiosos na urna é homem e de direita

29/09/2022, às 15:52 (atualizado em 30/09/2022, às 14:51) | Tempo estimado de leitura: 3 min
Estudo do Inesc levanta 2,1 mil candidaturas de militares e religiosos que mencionam seus próprios cargos no “nome de urna”

Seja para atrair um grupo de eleitores ou para demonstrar um vínculo com certos valores políticos, algumas candidatas e  candidatos costumam definir o nome que vai para a urna pelo cargo que denota sua profissão. Nas Eleições 2022 não está sendo diferente. 

Pelo menos 2,1 mil postulantes mencionaram nomes de cargos militares e religiosos para definirem suas candidaturas. Candidatos homens e de partido de direita foram maioria entre aqueles que exploraram esses cargos para angariar votos. Entre os cristãos evangélicos, houve destaque para o grupo de “pastores” que se definiram assim. Mais detalhes fazem parte do estudo “Análise sobre a presença de militares e religiosos na urna”, mais um da série do Inesc em parceria com a Commom Data, Perfil do Poder nas Eleições 2022

Militares

Militares, ou de Forças de Segurança, são autorizados pela Lei Eleitoral a concorrer por cargos eletivos. Contudo, a maioria dessas candidaturas que se utilizam do cargo no nome de urna contam com propostas conservadoras para o modelo de segurança brasileiro. Entre os 1359 candidatos militares que usaram seus cargos em nomes de urna, pelo menos 75% fazem parte de partidos de direita e 86% são homens. Ao menos 55,26% disputam para ser deputados estaduais. A média de idade dos candidatos é de 50 anos.  

“Em nome de Deus”

O Estado é laico, mas candidatas e candidatos religiosos usam suas denominações nas igrejas onde pregam ou frequentam para se identificarem com a base eleitoral. É o pensamento de pelo menos 752 candidatas e candidatos que fazem menção a alguma filiação religiosa. 

A maior parte desses postulantes são de partidos de direita (67,95%), 72,47% são homens e 62,77% usam o nome “pastores”. Outras denominações cristãs também são usadas para os nomes da urna: irmãos e irmãs (12,5%) e missionários (9,84%).

 

Quer saber mais? Leia o estudo completo aqui: Análise sobre a presença de militares e religiosos na urna

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Análise sobre a presença de militares e re...
    Esta nota do Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Maioria entre candidatos com nomes de carg...
    Seja para atrair um grupo de eleitores ou…
    leia mais
  • Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Renovação na política: o que diz a distrib...
    Mais mulheres no poder, mais pessoas negras, indígenas,…
    leia mais
  • Candidaturas indígenas: uma oportunidade p...
    Pesquisa do Inesc realizada em parceria com a…
    leia mais