Doe

Forus: uma agenda positiva para 2019

08/01/2019, às 10:31 (atualizado em 16/03/2019, às 22:56) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Iara Pietricovisky
Artigo de Iara Pietricovisky, eleita presidenta do Forus para a gestão 2018-2020, apresenta os principais desafios e compromissos da organização para uma agenda global.

Iara Pietricovisky também integra a direção executiva da Abong e o colegiado de gestão do Inesc.  O Forus é uma rede global inovadora que capacita a sociedade civil para uma mudança social efetiva. É uma organização que reúne 69 Plataformas de ONGs Nacionais (PON) e 7 Coalizões Regionais (CR) da África, América, Ásia, Europa e Pacifico – juntas representando mais de 22.000 organizações.

Assista ao vídeo e confira o artigo:

Vivemos tempos difíceis. De um lado um mundo, no limiar de uma explosão de um sistema político predominantemente autoritário e fascista (a não política) e do outro, de uma economia cada vez mais neoliberal, totalitária, que concentra riqueza e homogeniza. Sem falar do risco iminente das consequências do aquecimento do Planeta.

Diante desse cenário preocupante, o papel do Forus é, antes de tudo, ressaltar os princípios inspirados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, do Pacto Internacional relativo aos direitos econômicos, sociais e culturais; dos Acordos da Agenda 2030 e o da Biodiversidade e Clima. Trata-se também de agir numa agenda internacional positiva para além das que estão configuradas pelas Organizações das Nações Unidas (ONU) e tentar montar o quebra-cabeça do poder no mundo contemporâneo.

O Forus, então, pretende contribuir para outra abordagem da política de modo a transformá-la num espaço real de construção de valores, da ética, do direito de oposição e no qual o conflito contribui para a democracia. A democracia que queremos deve abarcar e valorizar a diversidade, a participação, a igualdade, a liberdade de ser e estar, a livre circulação. Não nos dobramos à servidão voluntária estimulada pelo medo histérico de um mundo real que se desenha na violência, na exclusão e nos imobiliza.

O papel do Forus também é o de buscar uma linguagem comunicacional inclusiva e global, onde todas e todos se sintam reconhecidos nas suas singularidades. O Forus pretende lutar contra as novas formas de dominação que emergem das mídias sociais e das novas tecnologias de comunicação, por exemplo, contra aquilo que atualmente se denomina como fenômeno do “firehosing” com o uso massivo de “fake news”, o que representa um risco real às democracias.

Manter o contato com as nossas bases (organizações e representantes da sociedade civil) é um outro desafio para Forus.  Isso implica que nos encontremos, cara a cara, graças às nossas formações e trocas diretas com nossos agentes; implica continuarmos conectados para criar fortes laços e cuidar uns dos outros.

É igualmente importante aprofundar a Iniciativa Global do Forus, que pretende ser uma das contribuições para contrapor a tendência mundial, promovendo um ambiente internacional favorável para o campo da cidadania mundial, tanto no aspecto político como do financiamento.

Fonte: Forus
Categoria: Artigo
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Sede da ONU em NY. Foto: ONU/Rick Bajornas.
    Não há caminho para o cumprimento da Agend...
    O Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) se prepara,…
    leia mais
  • Lamento muito, mas não deu…
     A Rodada de Doha da OMC voltou a…
    leia mais
  • Como chegamos à era Trump – nos EUA ...
    É impossível não traçar paralelos diante da surpreendente…
    leia mais
  • Forus: uma agenda positiva para 2019
    Iara Pietricovisky também integra a direção executiva da…
    leia mais
  • Bb3015 / Wikipedia
    Como o Banco dos Brics irá atuar?
    *Publicado originalmente no site da Carta Capital Muitas…
    leia mais