Doe

Fortalecendo o Corre: jovens fazem imersão em Brasília

17/12/2018, às 11:11 (atualizado em 18/03/2019, às 15:01) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Lucas Miguel
O projeto “Fortalecendo o Corre” tem o objetivo de reunir coletivos de jovens para enfrentar as desigualdades nas grandes cidades brasileiras
Foto: José Bernardo

No início deste mês, jovens integrantes do projeto Juventudes nas Cidades, que em Brasília foi apelidado como “Fortalecendo o Corre”, fizeram uma imersão de dois dias em uma chácara no entorno do Distrito Federal.

Com o tema “Todo corpo periférico é um quilombo urbano”, a imersão teve como proposta metodológica oficinas que aprofundaram temas como diáspora, masculinidades, feminilidades e quilombismo, reafirmando a importância do resgate histórico e conceitual de diversos temas e pautas que estão sendo discutidos no projeto.

Os e as participantes do “Fortalecendo o Corre” integram coletivos ou organizações que são ligados à arte, cultura e empreendedorismo. O projeto tem o objetivo de reunir coletivos de jovens para enfrentar as desigualdades nas grandes cidades brasileiras. O Inesc é a instituição referência do projeto em Brasília, mas ele também acontece em Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, onde é executado pelas ONGs Fase, Ibase, Ação Educativa, Instituto Pólis e Oxfam Brasil.

A Oficina “Territorialidades conceituais rumo a malungagens civilizatórias”, facilitada por Layla Maryzandra (pedagoga e educadora popular),  trouxe um resgate histórico sobre a diáspora e como isso afeta a sociedade atual.

Fotos: José Bernardo

A Oficina “Femilinidades em Kriô”, facilitada por Cristiane Sobral, teve como objetivo a discussão das diversas feminilidades existentes, assim como fugir da associação do feminino à mulher e do masculino ao homem.

Quilombismo para se aquilombar, malungagem para prosseguir – planejamento de práticas e atividades de formação”, facilitada por Layla Maryzandra, a oficina de encerramento da imersão trouxe a importância de se pensar coletivamente para traçar estratégias futuras no âmbito do projeto e no âmbito social a partir do contexto político atual.

Durante os dois dias de imersão, os e as participantes debateram, interagiram e construíram juntos momentos plurais e democráticos.  A reunião contou também com atividades diversas, além das oficinas, como programação para as crianças, facilitada pelo educador Walisson de Sousa; sarau da resistência, que contou com a participação dos e das artistas participantes do Corre e com o lançamento do novo disco de Markão Aborígene; batalha de rap, feira de troca, momentos na fogueira, café da manhã literário, entre outros. Todo o encontro foi pensado coletivamente, por meio da metodologia de grupos de trabalho em que cada “GT” fica responsável por pensar e gerenciar um aspecto da imersão, como a comunicação, logística ou autocuidado.

A imersão foi rodeada de afeto, momentos de autocuidado e comunhão, trazendo reflexões importantes para o grupo e fortalecendo os corres de cada um e cada uma que ali compartilharam histórias, vivências e afetos.

Veja como foi:

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Marcha das Mulheres Indígenas se integra à Marcha das Margaridas em Brasília. Foto: Douglas Freitas/Cobertura colaborativa Mídia Ninja
    “Bicho enjaulado são eles, que estão preso...
    Desde o dia 9 de agosto, acontece em…
    leia mais
  • Apostila “Orçamento e direitos quilo...
    Esta apostila é um material de apoio para…
    leia mais
  • Oficina orçamento e direitos quilombolas em Belém. Foto: Sibely Nunes
    Orçamento público e direitos quilombolas
    Este ano, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc),…
    leia mais
  • How Governments Report On and Justify Budg...
    Desculpe-nos, mas este texto está apenas disponível em…
    leia mais
  • Gracias a la vida – de quem?
    A conquista histórica das nossas hermanas argentinas, que…
    leia mais