Doe

Extinção de conselhos reforça ideia de Estado autoritário e não público

03/05/2019, às 14:38 (atualizado em 03/05/2019, às 14:40) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por José Antônio Moroni para Folha de S.Paulo
Artigo de José Antônio Moroni, publicado hoje na Folha de S.Paulo, mostra que sem esses espaços de participação, resta o "balcão de negócios", que reforça o poder das velhas e novas oligarquias.
Presidenta Dilma Rousseff recebe o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil)

Conselhos, comitês, fóruns e conferências têm prestado, principalmente ao longo das três últimas décadas, um papel fundamental na esfera pública. Contudo, decreto de Bolsonaro determina fim de colegiados ligados à administração federal. Artigo de José Antônio Moroni, publicado hoje (3/5) na Folha de S.Paulo, mostra que sem esses espaços de participação, resta o “balcão de negócios”, que reforça o poder das velhas e novas oligarquias.

José Antônio Moroni é integrante do colegiado de gestão do Inesc e da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político.

Extinção de conselhos reforça ideia de Estado autoritário e não público

Decreto de Bolsonaro determina fim de colegiados ligados à administração federal

Os desejos de participar da esfera pública, assim como os de liberdade e igualdade, sempre estiveram presentes nas lutas sociais nos diferentes períodos da história e de diversas formas.

Participar significa incidir nas questões que dizem respeito à vida concreta das pessoas, mas também nos processos de tomada de decisão do Estado e dos governos. Fruto desse processo é que hoje culturas e países diversos reconhecem a participação como um direito humano fundamental.

Para dar concretude a esse direito, reconstruíram a sua institucionalidade, incorporando os espaços institucionais de participação no arcabouço das instituições democráticas. É um novo desenho democrático, que reconhece outras formas legítimas de participação na esfera pública que não apenas a via da representação eleitoral.

Vivemos numa sociedade diversa, plural e complexa, onde o exercício do poder (tomar decisões) deve refletir essa diversidade e, para isso, é necessário ampliar o que se entende por instituições democráticas.

A democracia não pode ser reduzida apenas aos procedimentos eleitorais, que, na maioria das vezes, reproduzem as relações de poder estabelecidas na sociedade.

Precisamos construir instituições democráticas e, ao mesmo tempo, essas instituições precisam ser plurais para incorporar as diferentes demandas, sujeitos e vozes de uma sociedade complexa.

Somente esse mosaico democrático é capaz de processar as transformações que tanto queremos. Em outras palavras, superar essa crise de perspectiva que a humanidade vive somente com a “democratização da democracia”.

A concepção minimalista de democracia onde a participação não tem lugar, aliada a uma igualdade estabelecida apenas do ponto de vista formal, gera uma sociedade baseada no privilégio (que é para poucos) e não no direito (que é para todos).

A base política desta concepção é um Estado autoritário, opaco, patrimonialista e fomentador da desigualdade. Um Estado a serviço da manutenção deste “status quo”.

>>> Leia a íntegra do artigo.

Categoria: Artigo
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Análise das candidaturas coletivas nas ele...
    A publicação Análise das Candidaturas Coletivas nas Eleições…
    leia mais
  • Eleições 2020: perfil das candidaturas ele...
    Considerando o resultado das eleições nos 5.408 municípios…
    leia mais
  • Eleições 2020: os casos de municípios com ...
    Uma parceria do Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos)…
    leia mais
  • Campanha defende representatividade nas el...
    As eleições municipais no Brasil se aproximam e,…
    leia mais
  • Busca por representatividade nas Eleições ...
    A assessora política do Inesc, Carmela Zigoni, publicou…
    leia mais