Doe

Exposição revela cotidiano no maior lixão das Américas com fotos dos próprios catadores

27/09/2016, às 13:37 | Tempo estimado de leitura: 5 min
Exposição será inaugurada nesta quinta-feira (29/9) em Brasília e tem curadoria do fotógrafo brasiliense Kazuo Okubo e apoio do Inesc, da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh) do Governo do Distrito Federal e Fundação Banco do Brasil.

Eles são invísiveis para boa parte da população do Distrito Federal mas seu trabalho é fundamental para a sustentabilidade da cidade, com a coleta de toneladas de material reciclável no maior lixão das Américas – o Aterro do Jóquei Club, mais conhecido com lixão da Estrutural. Essa dura realidade de milhares de pessoas que atuam diariamente na coleta do material descartado pela população de Brasília – e que dela sobrevivem – terá agora um pouco mais de visibilidade com uma exposição Eu Catador – o olhar dos catadores sobre o cotidiano do trabalho que está sendo organizada pelo fotógrafo brasiliense Kazuo Okubo na sua galeria especializada em fotografia, a Casa da Luz Vermelha (Clube ASBAC, SCES Trecho 2, Conjunto 31, Brasília).

Mas Kazuo é responsável apenas pela organização e curadoria das imagens. Os verdadeiros autores são os próprios catadores, que registraram com celulares o seu cotidiano no lixão da Estrutural, em fotografias impactantes, que dão a exata dimensão do mundo real de milhares de trabalhadores que atuam no local.

A exposição, que ficarão aberta ao público para visitação do dia 30 de setembro a 28 de outubro (de segunda a sexta, das 10 às 19h), tem apoio da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh) do governo do Distrito Federal, da Fundação Banco do Brasil, e do Inesc.

Nós atuamos com os catadores da Estrutural por meio do Projeto Pró-Catador, que em Brasília tem a missão de fomentar os empreendimentos de inclusão social e econômica dos catadoras e catadores de materiais recicláveis com foco na organização, capacitação e articulação política em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Inesc vem acompanhando de perto a desativação do lixão da Estrutural e tem trabalhado diretamente com os catadores de material reciclável que atuam na área, promovendo cursos técnicos e de formação cidadã. Além disso, os catadores têm se reunido regularmente no Fórum Lixo & Cidadania para discutir o processo de inclusão das milhares de pessoas atuam no Lixão da Estrutural.

Desde 2012, quando foi fechado Gramacho, no Rio de Janeiro, o título de maior lixão das Américas foi transferido para Brasília, mais precisamente para o lixão da Cidade Estrutural. São milhares de toneladas de lixo que chegam a esse local todos os dias, grande parte produzido pelos moradores mais abastados do Distrito Federal, despejado sem qualquer preocupação ambiental, causando contaminação do solo e subsolo, poluindo o lençol freático e provocando inúmeros problemas de saúde.

Essa situação está para mudar com inauguração do novo aterro sanitário de Samambaia, que fica a 40 quilômetros a oeste do centro do Plano Piloto. Uma questão, no entanto, permanece: o que será dos milhares de catadores de material reciclável que hoje dependem economicamente do lixão da Estrutural?

Leia também: Catadores, sociedade civil e gestores discutem futuro com o fim do maior lixão das Américas

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Candidaturas Coletivas nas Eleições 2022
    Estudo do Inesc, em parceria com o coletivo…
    leia mais
  • Foto: José Cruz/Agência Brasil
    Orçamento secreto é controlado por pequeno...
    O orçamento secreto movimentou entre 2020 e outubro…
    leia mais
  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais