Haz un donativo

Campanha #SóAcreditoVendo pede fim do sigilo fiscal dos gastos tributários

24/08/2018, às 2:05 PM (update on 16/03/2019, às 10:44 PM) | Tiempo estimado de lectura: 4 min
Brasil perde cerca de R$ 250 bilhões – equivalentes a 4% do PIB - com gastos tributários que não são divulgados. Campanha lançada pelo Inesc pede transparência

Todo ano, o Brasil perde cerca de R$ 250 bilhões* com gastos tributários que o governo federal concede para empresas, instituições ou pessoas físicas. Mas quem, exatamente, recebe esses incentivos? Eles são de fato benéficos para o conjunto da sociedade? Buscando respostas para essas questões, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) lançou nesta sexta-feira (24) a campanha #SóAcreditoVendo, que pede transparência no processo de concessão de incentivos fiscais.

De acordo com o manifesto da campanha, a falta de transparência e monitoramento dos gastos tributários acaba “gerando alterações de mercado e criando privilégios que aumentam a injustiça do sistema tributário brasileiro”. Da maneira como está organizado hoje, nosso sistema está concentrado em tributos regressivos e indiretos, justamente os que oneram mais os trabalhadores e os pobres.

>>> Assine aqui o manifesto que será entregue ao STF e ao Senado Federal <<<

O argumento do governo é de que esses incentivos e benefícios – que equivalem a 4% do PIB – podem aumentar a oferta de emprego e o crescimento econômico do país. Mas o Inesc defende que a população precisa ‘ver para crer’: “Sendo o gasto tributário um gasto público indireto, ele deveria respeitar o princípio de transparência e publicidade do orçamento público. Com isso, seria possível verificar se as promessas de aumento de emprego e crescimento econômico em troca das isenções tributárias realmente ocorrem”, explica Grazielle David, assessora política do Inesc.

Apoiam a campanha organizações como a Fian Brasil, o Ibase, a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida, a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, a Internacional de Serviços Públicos (ISP) e a ACT – Promoção da Saúde.

O que diz a lei?

O nosso Código Tributário Nacional diz que o Estado não pode divulgar informações sobre a situação econômica e financeira dos contribuintes. O próprio Código prevê algumas exceções, porém os gastos tributários não estão entre elas.

A campanha #SóAcreditoVendo defende que os incentivos fiscais devem ser considerados como gasto público indireto e, como tal, enquadrados dentro das exceções do Código e também dentro dos princípios de publicidade do orçamento público.

Já existem precedentes: em 2015, o Superior Tribunal Federal (STF) se manifestou a favor do acesso público a esses dados. O STF entende que o sigilo pode ser relativizado quando existir o interesse da sociedade de se conhecer o destino dos recursos públicos. Também existem projetos de Lei em tramitação no legislativo que pedem o fim do sigilo fiscal dos gastos tributários.

*Dados oficiais da Receita Federal. A estimativa do TCU, que trabalha com um conceito ampliado de gastos tributários, é de R$354,7 bilhões.

Conheça a campanha e assine o manifesto: www.soacreditovendo.org.br


Categoría Notícia
Comparte

Contenido relacionado

  • Estudantes protestam contra cortes na educação em Brasília. Foto: Webert da Cruz
    Diálogo com o tsunami da educação: números...
    Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en…
    lea mas
  • Abertura da 16ª Conferência Nacional de Saúde, de 4 a 7 de agosto, reúne milhares de pessoas em Brasília. Foto: divulgação CNS
    Orçamento Temático de Medicamentos analisa...
    Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en…
    lea mas
  • Apostila “Orçamento e direitos quilo...
    Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en…
    lea mas
  • Oficina orçamento e direitos quilombolas em Belém. Foto: Sibely Nunes
    Orçamento público e direitos quilombolas
    Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en…
    lea mas
  • Laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio, uma das instituições atingidas pela suspensão das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs)
    A quem interessa sabotar os laboratórios p...
    Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en…
    lea mas