fbpx
Doe

Entidades questionam na Justiça decreto que extingue conselhos

17/05/2019, às 15:55 (atualizado em 22/05/2019, às 10:26) | Tempo estimado de leitura: 3 min
Intervozes, Inesc e FNDC ajuizaram Ação Civil Pública na última quarta (15) para suspender o cronograma do Decreto 9.759/2019, considerado “extremamente exíguo”
Presidenta Dilma Rousseff recebe o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil)

Organizações da sociedade civil brasileiras ajuizaram, no último dia 15 de maio,  uma Ação Civil Pública (ACP) junto à Vara Federal do Tribunal Federal da 3ª Região para sustar os efeitos do Decreto 9.759/2019, publicado em abril deste ano, que extingue e estabelece diretrizes, regras e limitações para colegiados da administração pública federal direta e indireta.

Na ação, o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, o FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação) e o Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos) pedem a suspensão do plano de trabalho do governo federal relativo ao decreto até que os ministérios e outros órgãos da administração pública federal indiquem a relação de colegiados dos quais participem, além de sua relevância e da justificativa para sua extinção ou continuidade.

As entidades autoras, que têm participação em conselhos relacionados com a administração pública federal, afirmam na ACP que o prazo relativo ao procedimento para adequação ou extinção dos colegiados é extremamente exíguo (de dois meses e meio), o que dificultaria a definição de possíveis órgãos afetados, bem como dos critérios a orientar as justificativas que garantiriam a continuidade das atividades desenvolvidas pelos colegiados.

As organizações apontam, ainda, que a norma apresenta “diretrizes pouco racionais” ao estabelecer requisitos genéricos quanto aos colegiados a serem atingidos, principalmente levando-se em consideração a perspectiva de extinção de um número elevado de colegiados – aproximadamente 700.

O fato de os ministérios que integram a estrutura da administração pública federal não terem sido previamente consultados sobre o Decreto, o que dificultaria um levantamento seguro sobre quais dos colegiados existentes seriam afetados e seus impactos, também é elencado como elemento de preocupação por parte das organizações autoras da Ação. “Há atividades desenvolvidas por muitos desses colegiados que são fundamentais para a administração pública como se pode concluir pelas notícias veiculadas a respeito, por exemplo, dos impactos para a Anatel e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações”, acrescentam.

O juiz que analisa o caso determinou  que o governo Bolsonaro se pronuncie sobre o pedido em 72 horas a contar de quando receber a intimação.

Acesse a íntegra da Ação Civil Pública

>>>Leia Também: Extinção de conselhos reforça ideia de Estado autoritário e não público

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • O Pacto pela Democracia é uma Plataforma de ação conjunta em defesa da construção democrática no Brasil. Inesc é uma das organizações participantes
    Palavra livre, democracia forte
    "A palavra aborrece tanto os Estados arbitrários, porque…
    leia mais
  • Denúncia foi enviada a Diego Garcia-Sayán, relator especial das Nações Unidas sobre a independência judicial dos magistrados e advogados (foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
    Violações na Operação Lava Jato são denunc...
    As violações ao princípio da independência judicial registradas…
    leia mais
  • Como as candidaturas propõem enfrentar os ...
    Por Alessandra Cardoso e Leila Saraiva, assessoras políticas…
    leia mais
  • Análise de programas econômicos das candid...
    Por Adhemar S. Mineiro, economista e assessor da…
    leia mais
  • José Moroni: Reforma política aprovada no ...
    No início deste mês, o presidente Michel Temer…
    leia mais