Doe

“É preciso identificar as forças políticas conservadoras e reagir a elas, nas ruas e nas urnas”

07/06/2016, às 15:05 | Tempo estimado de leitura: 5 min
Artigo de Cida Bento, doutora em Psicologia e coordenadora executiva do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades (CEERT).

Em artigo publicado no site da revista Carta Capital, Cida Bento, doutora em Psicologia e coordenadora executiva do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades (CEERT), afirma que parecer haver um objetivo ‘explícito e deliberado’ das forças retrógradas que deram o golpe e tomaram o poder de “mostrar aos  movimentos sociais que eles não contam no cenário político atual” e que “seus direitos, conquistados nas ruas, podem ser derrubados com qualquer canetada.” Segundo Cida Bento, o novo governo e seus integrantes deixam claro que todo e qualquer órgão criado para tratar de direitos podem ser extintos e recriados como se fosse uma estrutura burocrática qualquer.

Mas a sociedade civil tem reagido, observa a psicóloga, em todo o país e até no exterior. Mesmo com a grande mídia corporativa tentando esconder os protestos em suas páginas e programas de rádio e TV, as muitas e diversas vozes podem se fazer ouvir graças às redes sociais.

“Provavelmente, o esforço em invisibilizar as expressivas manifestações destes diferentes grupos se deve ao fato de que suas reivindicações escancaram a gravidade do retrocesso em curso. Retrocesso que desconsidera as inúmeras políticas criadas na última década para combater a violência racial e a desigualdade, num dos países mais desiguais do mundo. Isso fere e avilta a democracia.”

Cida Campos avalia que uma das chaves para barrar o retrocesso – de hoje e de amanhã – é “desenvolver esforços para que o voto seja expressivo daquilo que representa uma resposta ao retrocesso atual e um esforço na retomada do processo democrático, com todos os seus desafios”.

“Precisamos alterar, por exemplo, o perfil dos deputados e senadores, majoritariamente homens, brancos, com média de 50 anos. As mulheres representam menos de 10% do total de parlamentares, os negros idem, e as mulheres negras cerca de 2% deste total, segundo pesquisa do Instituto de Estudos Socioeconômicos – Inesc, com relação às eleições 2014.”

Leia aqui a íntegra do artigo.

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Candidaturas Coletivas nas Eleições 2022
    Estudo do Inesc, em parceria com o coletivo…
    leia mais
  • Foto: José Cruz/Agência Brasil
    Orçamento secreto é controlado por pequeno...
    O orçamento secreto movimentou entre 2020 e outubro…
    leia mais
  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais