Doe

É mais barato – e eficiente – prevenir do que lidar com consequências da violência contra as mulheres

25/05/2017, às 16:45 | Tempo estimado de leitura: 5 min
Abusos custam US$ 1,5 trilhão ao mundo, afirma a ONU neste Dia Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

As Nações Unidas reforçaram hoje, no Dia Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres, o apelo para que os países combatam violações dos direitos humanos de meninas e mulheres, lembrando que investimentos em prevenção como conscientização sobre desigualdade de gênero nas escolas são mais eficientes e custam menos do que políticas necessárias para lidar com as consequências dos abusos.

Segundo a ONU, a violência contra as mulheres custa cerca de US$ 1,5 trilhão ao mundo, devido a despesas com atendimento às vítimas, com a aplicação das leis e com as consequências das agressões na vida de trabalhadoras. E isso vale para países desenvolvidos e em desenvolvimento.

No Brasil, 40% das mulheres já sofreram violência doméstica em algum momento de sua vida. Segundo dados da ONU Mulheres, 66% dos brasileiros presenciaram uma mulher sendo agredida física ou verbalmente em 2016. Em 2014, foram mais de 45 mil estupros cometidos no país. A cada duas horas, uma mulher é assassinada no país, a maioria por homens com os quais têm relações afetivas — o que coloca o Brasil na 5º posição em um ranking de feminicídio que avaliou a incidência do crime em 83 países. Apesar desta realidade tão cruel, o governo brasileiro reduziu em mais de 50% os recursos existentes para políticas que atendam as mulheres.

“Na prática cortaram metade dos recursos de toda a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), justamente o órgão responsável pelo Disque 180 (o disque-denúncia para violência contra as mulheres) e por implementar as Casas da Mulher Brasileira“, afirma Carmela Zigoni, assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc). “É um absurdo um corte desses em um país onde a cada 7 minutos uma denúncia é feita de violência. Somente no primeiro semestre de 2016, o Disque 180 registrou 555 mil denúncias. Este governo definitivamente não tem o menor comprometimento com as mulheres brasileiras.”

Todo dia 25 do mês é um Dia Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres, uma forma de ampliar o calendário celebrado no dia 25 de novembro – Dia Internacional pelo Fim da Violência contra as Mulheres. No Dia Laranja, a ONU convida a sociedade civil, os governos e outros parceiros a se mobilizarem em apoio à causa.

Em 2017, o Dia Laranja adota o lema “Não deixe ninguém para trás: acabe com a violência contra as mulheres e as meninas”, uma adaptação do tema dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Vamos falar sobre Gênero, Raça e Etnia?

Se interessou pelo tema? Inscreva-se para receber nosso boletim por email!

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais
  • Estudo lançado na COP 27 revela que Brasil...
    O fomento aos combustíveis fósseis no Brasil alcançou…
    leia mais
  • Fossil Fuels Subsidies in Brazil: know, as...
    Desculpe-nos, mas este texto está apenas disponível em…
    leia mais