Doe

Crimes socioambientais da mineração são tema de seminário em Brasília

31/10/2016, às 16:40 | Tempo estimado de leitura: 4 min
Diversas organizações do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração, como o Inesc, participaram do encontro, que teve como tema central o crime da Samarco (Vale-BHP Billiton) em Bento Rodrigues (MG).

Representantes de diversas organizações sociais que atuam na defesa de territórios no Brasil contra violações de direitos humanos provocadas por projetos de mineração reuniram-se semana passada em Brasília (DF) para discutir os impactos socioambientais provocados por esses projetos no país. O caso mais emblemático, como não poderia deixar de ser, é o rompimento da barragem de rejeitos de mineração da empresa Samarco (Vale-BHP Billiton) em Bento Rodrigues (MG), que provocou o maior crime socioambiental do país e que completa um ano de impunidade no próximo dia 5 de novembro.

O seminário, organizado pelo Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração, contou com a participação de Alessandra Cardoso, assessora política do Inesc, que tratou da questão fiscal e tributária da atividade mineradora no país. “As compensações financeiras pelo uso de recursos minerais que vão para os governos não são utilizadas para o desenvolvimento sustentável das regiões atingidas”, criticou Alessandra durante sua exposição.

Saiba mais:

Amazônia: paraíso extrativista e tributário das transnacionais da mineração”

Do caos à lama: a verdadeira e cruel face do modelo mineral brasileiro

Durante o seminário, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) denunciou o crime em Bento Rodrigues (MG), que se alastrou por toda a bacia do rio Doce e que está afetando o abastecimento de água de mais de 1,5 milhão de pessoas. Segundo Jackson Dias, do MAB, até agora não há um esforço da Samarco e governos em tentar compensar de forma justa os atingidos. O MAB denunciou também que a mesma empresa e engenheiro que fizeram o relatório de viabilidade geotécnica da barragem rompida da Samarco são os mesmos que fizeram os estudos da barragem de rejeitos que a empresa canadense Belo Sun ameaça construir na região da Volta Grande do Xingu, atingida pela hidrelétrica de Belo Monte, no estado do Pará.

Saiba mais aqui sobre o seminário.

Vamos falar sobre questões socioambientais?

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Foto: José Cruz/Agência Brasil
    Orçamento secreto é controlado por pequeno...
    O orçamento secreto movimentou entre 2020 e outubro…
    leia mais
  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais
  • Estudo lançado na COP 27 revela que Brasil...
    O fomento aos combustíveis fósseis no Brasil alcançou…
    leia mais