Doe

Catadores se organizam em cooperativas e começam coleta seletiva em 5 regiões do DF

20/07/2016, às 12:20 | Tempo estimado de leitura: 4 min
O serviço será prestado em Brazlândia, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Samambaia e Santa Maria. Em todas as 22 regiões administrativas do DF, são recolhidas mensalmente cerca de 4,5 mil toneladas de material reciclável.

Reportagem publicada domingo (17/7) no Correio Braziliense.

O sistema de coleta seletiva do Distrito Federal recolhe, mensalmente, cerca de 4.400 toneladas de materiais recicláveis em 22 regiões administrativas. Até então, a arrecadação dos detritos era de responsabilidade de apenas duas empresas privadas: CGC e Valor Ambiental. O cenário, entretanto, foi transformado na última segunda-feira, quando quatro cooperativas de catadores de lixo — contratadas em maio — iniciaram a prestação do serviço em Brazlândia, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Samambaia e Santa Maria.

A coleta havia sido suspensa nas localidades em dezembro de 2015, para viabilizar o desenvolvimento de um novo modelo. O programa inédito é composto pelas associações Acobraz, Recicle a Vida, Renascer e R3. Todas assinaram contrato com vigência de 12 meses e valor unitário anual de R$ 383.183,52. As associações passaram por um longo processo de seleção. O edital divulgado pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU) exigia, por exemplo, a utilização de Equipamento de Uso Individual (EPI), uso de uniforme, treinamento de equipe, apresentação de um caminhão com menos de cinco anos de uso e disponibilização de relatórios.

Em junho, mais de 100 catadoras e catadores de materiais recicláveis receberam certificados de conclusão de curso de formação pelo Projeto Pró-Catador do Distrito Federal, uma parceria do Inesc com a SEDESTMIDH do governo de Brasília.

No Distrito Federal, a execução do Programa Pró-Catador tem a missão de fomentar os empreendimentos de inclusão social e econômica dos catadoras e catadores de materiais recicláveis com foco na organização, capacitação e articulação política em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Leia também:

Projeto Pró-Catador forma cinco turmas da Estrutural e entrega certificados

Em parceria com o Inesc, SLU treina catadores de materiais recicláveis

A necessária inclusão dos catadores no Distrito Federal

Como funcionará a coleta seletiva pelas cooperativas no DF
Nas ruas, enquanto alguns profissionais recolhem o lixo seco, o responsável pela mobilização da comunidade bate nas portas dos moradores para sanar dúvidas relacionadas à separação dos resíduos e entregar informativos com as datas e os turnos da coleta seletiva. Os mobilizadores utilizam um aplicativo específico, desenvolvido pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), para marcar quais residências foram informadas acerca do novo modelo de coleta seletiva.

Após o recolhimento, todos os detritos são encaminhados à cooperativa. Lá, são despejados em grandes esteiras para a realização da triagem. Nesse momento, cada catador fica responsável por um tipo de material: garrafas pet verdes ou transparentes, papelões, jornais e papéis, entre outros. Os objetos passíveis de reciclagem são vendidos à Capital Recicláveis e o rejeito segue para o aterro do Jóquei. Os lucros obtidos com as vendas são direcionados, exclusivamente, aos catadores

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Relatório Luz: Brasil apresenta piores ind...
    A sexta edição do Relatório Luz revelou que…
    leia mais
  • Guia Ilustrado de Inflação, Política Monet...
    O que é Política Monetária e o que…
    leia mais
  • Foto: Reprodução/Mídia Ninja
    Nota de pesar e indignação – Justiça...
    Com consternação e tristeza, o Inesc se junta…
    leia mais
  • Anti-Indigenous Foundation: A Portrait of ...
    Desculpe-nos, mas este texto está apenas disponível em…
    leia mais
  • “Funai se transformou em Fundação Anti-ind...
    Sob o governo Bolsonaro, a Fundação Nacional do…
    leia mais