Doe

Carnaval também é direito à cidade.

21/02/2020, às 16:32 | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Cleo Manhas, assessora política do Inesc
O carnaval de Brasília, assim como de muitas outras cidades do país, se concentra cada vez mais nas áreas privilegiadas. Também favorece artistas nacionais em detrimento de grupos tradicionais de cultura popular.
Mamãe Taguá, bloco tradicional de Taguatinga. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Estava almoçando em um dos tantos shoppings de Brasília, quando me dei conta de que em cerca de 30 anos nossas cidades foram totalmente privatizadas. Os espaços públicos foram fechados com agentes de segurança nas portarias, para evitar que pobres adentrem ao recinto, perturbando o conforto de quem está ali para alimentar o capitalismo, consumindo e fazendo a roda girar.

Então, se “A praça Castro Alves já foi do povo”, não é mais, os espaços públicos estão cada vez mais gentrificados.  Todavia, há uma brecha durante o ano, que permite a democratização desses locais: o carnaval. As pessoas se fantasiam e enchem praças e ruas, misturando classes e raças em um só lugar. Pois carnaval é direito à cidade, é portal aberto para os encontros. Será?

A resposta é sim e não. Há os locais sem cordas, com mistura de linguagens e mensagens. Narrativas diversas, quebra de tabus e preconceitos. Espaços livres de racismo e homolesbotransfobia, que são raqueados, pois até mesmo o carnaval é disputado. Como podemos ver nos abadás, cordas separando a pipoca, transporte público indisponível ou reduzido.

E em Brasília ainda há outro advento, a administração local acredita que apenas o Plano Piloto tem direito à folia. Pois vários e tradicionais blocos de outras partes desse quadrado não recebem fomento para saírem, mesmo que suas histórias se confundam com a própria história da cidade, como é o caso do Asé Dudu, Galinho de Brasília ou Comboio Percussivo, que ficaram sem recursos ou com recursos muito abaixo do que foi pedido. Mesmo fazendo Carnaval na cidade há mais de dez anos e oferecendo muita cultura, aprendizado e música.

Além disso, o Governo do Distrito Federal (GDF) ainda sinalizou um Carnaval que privilegiaria grupos de fora da cidade, em detrimento das tradicionais escolas de samba, como a Aruc do Cruzeiro, que ano que vem completa 60 anos. E com as incontáveis rodas de samba que podemos saborear o ano todo nos diversos pontos do quadrado, passando por Ceilândia, Candangolândia, Taguatinga e por aí vai. E ainda que o GDF tenha desistido do carnaval gourmetizado, não significou mais recursos para os de casa.

A boa notícia é que nos últimos anos, em várias cidades, incluindo Brasília, os blocos saíram do armário, vencendo a privatização dos espaços públicos e botando o bloco na rua, gingando ao som dos tambores, cuícas e chocalhos. Se ao longo do ano as ruas são propriedade dos carros, que ocupam e se apossam do que seria de todas as pessoas, no carnaval há uma ocupação alegre, festiva, combativa, que leva para fora mensagens políticas. Então, carnaval é político, é resistência.

Categoria: Artigo
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Interface do 1º Festival Juventudes nas Cidades, na plataforma Ekóa
    1º Festival Juventudes nas Cidades recebe ...
    Ayoola, Micael Amorim, Negra Eve, Papi Guajá Onijá,…
    leia mais
  • Foto: Webert da Cruz
    “A arte nos ajuda a elaborar significados...
    Quando você entrou no projeto Corre? Como a…
    leia mais
  • “Acho importante que os jovens participem ...
    Sou Daniel Fernandes, mais conhecido como MC Fernandes.…
    leia mais
  • Cidade Estrutural, DF. Foto: Arthur Menescal
    “Agenda 10 DF” propõe ações para reduzir a...
    Desde 2016, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc)…
    leia mais
  • Agenda 10 DF
    Desde 2016, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc)…
    leia mais