Doe

Brasil recebe quase 250 recomendações sobre direitos humanos na ONU

09/05/2017, às 17:00 | Tempo estimado de leitura: 4 min
Entre os alertas feitos por Estados-membros das Nações Unidas estão o combate à extrema pobreza, às desigualdades econômicas e à discriminação de gênero, etnia e religião, direitos dos povos indígenas e quilombolas, e a violência policial.

A delicada situação dos direitos humanos no Brasil é preocupante e mereceu o alerta de um grupo de países membros da ONU esta semana. De acordo com relatório divulgado nesta terça-feira (9/5) em Genebra (Suíça), o Brasil recebeu 246 recomendações sobre direitos humanos por parte de vários Estados-membros das Nações Unidas. Entre os alertas estão o combate à extrema pobreza, às desigualdades econômicas e à discriminação de gênero, etnia e religião, o enfrentamento da violência policial e a garantia de direitos dos povos indígenas e quilombolas.

O relatório faz parte do trabalho do Grupo de Trabalho da Revisão Periódica Universal (RPU) do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e pode ser lido aqui (em inglês).  O Brasil faz parte de um grupo de 14 países que terão a situação dos direitos humanos examinada pelo Grupo de Trabalho da RPU até 12 de maio, sessão que também marca o início do terceiro ciclo da RPU.

As primeiras e segundas avaliações a que o Brasil foi submetido aconteceram, respectivamente, em abril de 2008 e maio de 2012.

Outras questões levantadas no relatório divulgado hoje estão a proteção de crianças contra a violência, a exploração sexual e trabalho infantil, o direito à terra e a garantia de serviços básicos à população – algo que o governo brasileiro juntamente com o Congresso Nacional vêm retirando dia após dia, com a implementação de uma política radical de austeridade e corte de gastos sociais.

O diálogo interativo entre o Brasil e o resto dos Estados se baseou em uma série de documentos que são analisados antecipadamente pelas delegações:

  • Um relatório nacional, informação enviada pelo Estado em exame;
  • As informações constantes dos relatórios de grupos e peritos independentes de direitos humanos, conhecidos como Procedimentos Especiais, órgãos de tratados internacionais de direitos humanos e outras entidades das Nações Unidas;
  • As informações disponibilizadas por outras entidades, incluindo instituições nacionais de direitos humanos, organizações regionais e organizações da sociedade civil.

Os três relatórios que servem de base para o exame do Brasil no dia 5 de maio estão disponíveis aqui.

Com informações do site da ONU no Brasil.

Leia também:

Sociedade civil se une contra retrocessos promovidos pelo governo e a bancada ruralista no Congresso

Política anti-indígena avança: Funai tem corte de mais de 50% no orçamento

Vamos falar sobre Orçamento e Direitos?

Se interessou pelo tema? Inscreva-se para receber nosso boletim por email!

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Foto: José Cruz/Agência Brasil
    Orçamento secreto é controlado por pequeno...
    O orçamento secreto movimentou entre 2020 e outubro…
    leia mais
  • Perfil dos eleitos nas Eleições de 2022
    Pesquisa realizada pelo Inesc, em parceria com o…
    leia mais
  • Equipe do Inesc na COP 27: Iara Pietricovsky, Tatiana Oliveira, Leila Saraiva, Cássio Carvalho e Livi Gerbase.
    COP 27 – Apesar do pouco avanço glob...
    A 27ª edição da Conferência do Clima (COP…
    leia mais
  • COP 27: Brasil precisa fazer uma transição...
    Representantes do legislativo brasileiro, de sindicatos dos trabalhadores…
    leia mais
  • Estudo lançado na COP 27 revela que Brasil...
    O fomento aos combustíveis fósseis no Brasil alcançou…
    leia mais