fbpx
Doe

Adolescentes do sistema socioeducativo também são humanos!

21/11/2019, às 17:01 (atualizado em 21/11/2019, às 18:00) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Jovens em privação de liberdade contam suas histórias e cotidiano em poesias, vídeos, programas de rádio e boletins

Na semana da consciência negra, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) apresenta Nóis Também É Humano – uma campanha de educomunicação feita por adolescentes que cumprem medida socioeducativa no Distrito Federal.

Nela, cerca de 120 adolescentes contam um pouco de suas histórias e cotidiano em poesias, fotografias, boletins, vídeos e programas de rádio – materiais produzidos durante as oficinas realizadas em seis turmas nas unidades de internação de Planaltina (UIP), Recanto das Emas (UNIRE), Santa Maria (UISM) e São Sebastião (UISS), durante o ano de 2019.

A campanha é fruto de encontros, oficinas, diálogos e experiências, no âmbito do projeto Vozes da Cidadania/Onda – Adolescentes em Movimento pelos Direitos, iniciativas do Inesc.

“Com essa mensagem ‘nois também é humano’, escolhida pelos adolescentes como mote da campanha, eles se afirmam como humanos, sujeitos de direitos. É também resultado de um caminho pedagógico antirracista, de enfrentamento às discriminações e violências, e que prioriza a democracia, a cidadania e os direitos humanos”, afirmou Márcia Acioli, assessora política do Inesc.

Quem são esses adolescentes?

Livro de poesias da campanha

A campanha Nóis Também é Humano é, ainda, um convite para conhecer os adolescentes, muito além do ato infracional que cometeram, em um momento de acirramento da violência e de mortes de crianças e adolescentes negros da periferia, como foi o caso de Ágatha, Giovana e Vinícius. A eles foi dedicado o livro de poesias da campanha, que faz parte da coletânea Para Além das Algemas.

O último levantamento anual do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), com dados de 2015, mostra um total de 26.209 adolescentes em restrição ou privação de liberdade.  Destes, 61,03% foram considerados de cor parda/preta, número que pode ser maior, já que 14.67% não tiveram registro quanto a sua cor.

Os adolescentes negros e de periferia convivem intensamente com uma realidade de dor, mortes e encarceramento. Para Márcia Acioli, essas desigualdades sociais, o apelo radical pelo consumo, as famílias desprotegidas e expostas a violências de diversas naturezas são os principais motores da perversa engrenagem que leva adolescentes para o circuito da criminalidade. “Por isso, é urgente pensar em prevenção, com investimento em políticas públicas nas áreas mais vulneráveis e, uma vez que o adolescente cometa o ato infracional, aplicar uma medida socioeducativa que ofereça condições para que ele desenvolva possibilidades para o convívio social com novas perspectivas”, defendeu.

Saiba mais e acesse os materiais da campanha “Nois também é humano”

>> Se interessou pelo tema? Cadastre-se e receba nossos conteúdos por e-mail!

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Adolescentes do sistema socioeducativo tam...
    Na semana da consciência negra, o Instituto de…
    leia mais
  • Para além das algemas (3ª ed.) – Nói...
    Terceira edição da coletânea Para Além das Algemas,…
    leia mais
  • Crianças e adolescentes são prioridade abs...
    Gabi[1] tem 14 anos, conviveu pouco com o…
    leia mais
  • A voz de uma pessoa e sua opinião
    Primeiramente, estou aqui hoje para contar a minha…
    leia mais
  • Foto: Webert da Cruz
    Cuidar de quem cuida
    No final do mês de agosto, o Instituto…
    leia mais