Doe

Adolescentes do sistema socioeducativo participam de formação em cidadania, cultura e comunicação

08/02/2019, às 15:43 (atualizado em 16/03/2019, às 22:57) | Tempo estimado de leitura: 4 min
Por Webert da Cruz
Projeto Vozes da Cidadania realiza formações em unidades da socioeducação para jovens melhorarem autoestima e se reconhecerem como cidadãos de direitos no DF
Foto: Webert Cruz

O Onda: Adolescentes em Movimento pelos os Direitos, que atua com formação cidadã em escolas públicas e em unidades de internação, realiza em 2019 o projeto Vozes da Cidadania. Até o fim deste ano, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), com apoio do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente (CDCA) promoverá novos encontros com adolescentes e jovens socioeducandos do Recanto das Emas (UNIRE), São Sebastião (UISS) e Planaltina (UIP), promovendo atividades que envolvem cidadania, cultura e comunicação.

“Não há mágica em processos pedagógicos”, afirma Márcia Acioli, assessora política do Inesc. “No caso do socioeducativo, quando a intenção é rever valores e reconstruir vidas, é necessário elaborar e avaliar diversas etapas”, explicou. A coordenadora garante que a continuidade das formações com os adolescentes depende de afetividade e respeito como pano de fundo de toda trajetória educativa.

Foto: Webert da Cruz

Ao refletir sobre suas origens e aprender sobre direitos, adolescentes que cumprem medidas socioeducativas passam a se compreender melhor como cidadãos e cidadãs – alguns pela primeira vez na vida. Debater temas pouco discutidos ligados aos direitos humanos, mediar conflitos a partir de uma cultura de paz e exercitar a liberdade de expressão são diretrizes que continuam presentes na metodologia do projeto.

É difícil falar de resultados sem uma pesquisa criteriosa, segundo Márcia. Entretanto, ela afirma que o trabalho do projeto tem aumentado a dimensão pedagógica e cultural nas unidades, tem desenvolvido outras sensibilidades e contribuído para um olhar mais crítico sobre a sociedade. “Sabemos também que as atividades colaboram para diminuir a tensão em contexto de elevados níveis de estresse”, conta a assessora.

O projeto

As atividades desenvolvidas pelo projeto abordam temas como: Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), participação social e democracia, direito das mulheres, cidade, educação e trabalho. A metodologia utilizada agrega fundamentos da educação popular, arte-educação e educomunicação. Música, fotografia, cine-debates, rodas de conversa e pinturas são alguns dos recursos utilizados na busca da construção de novas perspectivas dos socioeducandos.

Foto: Webert da Cruz

“Ao debater temas pouco discutidos ligados aos direitos humanos, nós acabamos mediando situações de conflito que poderiam gerar violência, por meio de uma cultura de paz, que está presente em nossa metodologia”, conta a educadora Ravena Carmo. A continuidade ajuda a consolidar aprendizados e aperfeiçoar metodologias, além de alcançar maior número de adolescentes.

A primeira fase do trabalho é focada na discussão dos temas indicados no projeto e pelos jovens, sempre relacionados ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e à Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança. Na segunda parte, ainda a ser desenvolvida, os adolescentes participarão da produção educomunicativa de programas de rádio, boletins, vídeos, grafite e poesias.

Acompanhe conosco o ecoar dessas vozes no site do projeto, e também no Facebook e Instagram.

Categoria: Notícia
Compartilhe

Conteúdo relacionado

  • Poesia nas Quebradas + Feira do Corre
    O projeto Poesia nas Quebradas promove neste sábado…
    leia mais
  • Foto: Marcelo Tavares Borges
    Estudantes do Itapoã promovem evento contr...
    Nomeada “Por Que Não Amar?”, campanha de enfrentamento…
    leia mais
  • Tirinha do Armandinho cedida por Alexandre Beck para publicação no site do Inesc
    Educação pública numa democracia moribunda
    O afeto não pode ser arrogante, o diálogo…
    leia mais
  • Tecnologia Social propõe protagonismo de e...
    Tornar o que era encarado com naturalidade um…
    leia mais
  • “Hoje sou capaz de correr atrás dos meus s...
    Meu nome é Adriele da Rocha Oliveira, tenho…
    leia mais