Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2017 Março Proposta de Serra para mudar regras eleitorais "é reformar para não mudar"
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2017 Março Proposta de Serra para mudar regras eleitorais "é reformar para não mudar"

Proposta de Serra para mudar regras eleitorais "é reformar para não mudar"

Publicado em 20/03/2017 12:25

Para José Moroni, do Colegiado de Gestão do Inesc, a proposta feita pelo Senador, de retirar as regras da Constituição para poderem ser alteradas por leis ordinárias, no Congresso, é ruim porque o Parlamento brasileiro hoje não tem legitimidade para nada.

A ideia do senador José Serra de apresentar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para retirar as regras eleitorais da Constituição, permitindo assim que sejam alteradas por meio de leis ordinárias, é o pior dos mundos, afirmam os especialistas ouvidos pela reportagem do Brasil de Fato, entre os quais José Moroni, do Colegiado de Gestão do Inesc.

Para Moroni, o atual Congresso brasileiro não tem legitimidade para propor reforma eleitoral alguma. “Esse Congresso - não só ele,  a própria proposta é fruto de uma articulação dos três Poderes - não tem legitimidade, hoje, para propor uma reforma nesse sentido”, diz. “É uma questão de legitimidade, mesmo. Independentemente das propostas que venham a ser votadas pelo Parlamento, há um problema de origem.”

Para Moroni, qual seria esse vício de origem? "O atual sistema político não tem legitimidade por uma série de fatores. O motivo que leva a essa proposição não é o enfrentamento do déficit democrático, da subrepresentação de diversos setores - mulheres, negros, indígenas, da classe trabalhadora. É unicamente para que os que estão no poder lá continuem. É reformar para não mudar. Para que, nas eleições de 2018, o mesmo grupo se perpetue", explica. "Estão pegando propostas como financiamento público, lista fechada - coisas que defendemos - com um objetivo totalmente diferente da sociedade civil."

Outros especialistas consultados concordam com Moroni, como Alessandro Soares, professor de Direito do Mackenzie, em São Paulo: “Do ponto de vista político, à medida que você tem um presidente da República que não tem o aval direto do voto popular, uma crise política, social e econômica, todo mundo vai buscar saídas de emergência. Acho que, antes de tudo, é preciso recuperar a legitimidade do governo democrático.”

Leia aqui a íntegra da reportagem.

Vamos falar sobre Reforma Política?

Se interessou pelo tema? Inscreva-se para receber nosso boletim por email!

Ações do documento
Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png