Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2011 Agosto Salário de deputado e senador cresceu 222% em dez anos
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias Gerais 2011 Agosto Salário de deputado e senador cresceu 222% em dez anos

Salário de deputado e senador cresceu 222% em dez anos

Publicado em 30/08/2011 11:28

O aumento é 20 pontos percentuais maior que o do salário mínimo

30 de agosto de 2011

Matéria retirada do portal Racismo Ambiental

Enquanto deputados federais e senadores brigam na Justiça pelo direito de receber os chamados supersalários (benefícios acumulados cujos valores ultrapassam o teto de R$ 26, 7 mil), levantamento realizado pela reportagem de O TEMPO mostra que, nos últimos dez anos, a remuneração nominal dos congressistas cresceu mais do que o dobro em relação à de determinadas categorias profissionais consideradas representativas e bem estruturadas em sindicatos.

Em 2001, deputados e senadores recebiam subsídios de R$ 8.280. Em dez anos, esse valor mais do que triplicou, sem contar os muitos penduricalhos, alcançando R$ 26,7 mil (aumento de 222,4%). O último reajuste ocorreu neste ano, quando, de uma só vez, o crescimento foi de 61,8% – desde o aumento anterior, em 2006, a inflação acumulada no período não superava os 20%.

Enquanto isso, os pisos nominais das cinco categorias pesquisadas – bancários, metalúrgicos, rodoviários, comerciários e professores da rede particular – tiveram variações entre 101,8% e 138,5%.

Quando a base de comparação é o salário mínimo, que costuma ter ganho real – cresceu 202,7% no período -, os vencimentos dos parlamentares evoluíram em uma proporção vinte pontos percentuais maior (veja exemplos abaixo).

Dentre as categorias contempladas, a que obteve o menor aumento foi a dos educadores da rede privada. Conforme o Sindicato dos Professores de Minas Gerais, o piso cresceu de R$ 482,58 para R$ 973,98 – uma variação de 101,8%. Em seguida, aparecem os rodoviários (110,2%), e os bancários (114,4%) de Belo Horizonte e região metropolitana.

Os comerciários obtiveram o melhor reajuste, com um aumento de 138,5% – de R$ 280 para R$ 668 -, seguidos dos metalúrgicos, cujo piso cresceu de R$ 378 para R$ 880 (132,8%).

Custo elevado

Os subsídios são apenas um dos fatores que fazem do Legislativo brasileiro um dos mais caros do mundo. Segundo o site Congresso em Foco, o valor total embolsado por um parlamentar ultrapassa os R$ 100 mil mensais, sem contar a incorporação de cotas e serviços a que todos têm direito por força da legislação.

Em 2007 – antes, portanto, do último aumento – a ONG Transparência Brasil comparou o orçamento do Congresso brasileiro com os de Alemanha, Argentina, Canadá, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, México e Portugal. A conclusão foi de que a Casa no Brasil só não era mais cara que a dos Estados Unidos e chegava a custar o triplo quando comparada à da França.

Benefícios sem fim

Além do salário, os congressistas contam ainda, todo mês, com os seguintes benefícios:

- Verba indenizatória de até R$ 15 mil
- Verba para transporte aéreo de até R$ 27 mil
- Cota de até R$ 1.000 para telefone fixo e ilimitada para celular
- Auxílio-moradia no valor de R$ 3.800
- Verba de R$ 520 para a compra de combustível
- “Cotão” de até R$ 35, 5 mil para custear fretamento de aeronaves, combustível, assinaturas de publicações, entre outros gastos.

 

Ações do documento

Comentários (0)

Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png