Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2018 Novembro Adolescentes do Projeto Onda produzem campanha de combate ao racismo
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2018 Novembro Adolescentes do Projeto Onda produzem campanha de combate ao racismo

Adolescentes do Projeto Onda produzem campanha de combate ao racismo

Publicado em 20/11/2018 11:05

Com o mote “Por que não amar?”, adolescentes do Projeto Onda elaboraram e produziram uma campanha antirracista para as escolas e para a comunidade em que convivem.
Adolescentes do Projeto Onda produzem campanha de combate ao racismo

Por que não amar?

Em 20 de novembro comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. A data é dedicada à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Pensando nisso e baseados em pesquisa feita em sua escola e comunidade, adolescentes do Projeto ONDA criaram e produziram uma campanha antirracista. A ação está prevista para ser lançada no dia 30 deste mês. Entre as peças da campanha estão um calendário, um vídeo para a celebração da cultura negra, broches e adesivos. Toda a campanha será  referenciada em uma personagem criada pelo grupo chamada Luzia.

Os objetivos  da campanha são: se reconhecer e autoafirmar, valorizar a beleza natural e celebrar a negritude, enfrentar o racismo na escola e na comunidade e sensibilizar as pessoas para gerar a vontade de mudar. “Para mim a campanha que estamos produzindo é importante para levar autoestima para as pessoas que cresceram ouvindo que suas características físicas eram feias e inferiores”, diz Paulo Ricardo, um dos estudantes integrantes do Onda.

Integrantes do projeto refletiram sobre o poder da linguagem e o uso de palavras racistas no cotidiano, principalmente as que são voltadas para o cabelo crespo. Tiveram oficinas sobre gênero, formatos, linguagens de comunicação, assim como escolheram os públicos prioritários da campanha. “Eu me identifiquei com a conversa sobre cabelo porque eu sempre tive vergonha do meu. Desde pequeno quis ter o cabelo igual ao de outros meninos, porém não podia porque parecia que ele não aceitava outros tipos de corte. Por isso eu me senti obrigado a manter o cabelo bem curto”, nos conta Victor Queiroz, um dos participantes do Onda. “Com a campanha eu percebi que o cabelo crespo é lindo mas que o racismo nos impede de reconhecer, e é uma coisa que eu quero que todas as meninas saibam”, completa Márcia Mesquita, adolescente que também integra o projeto.

A partir de conversas, análises de músicas, poemas, documentários e dinâmicas, os encontros para a produção da campanha têm sido permeados por muito diálogo, estudo, reflexão e uso de ferramentas criativas. Para Diego Mendonça, um dos educomunicadores que estão participando do projeto, a campanha busca uma perspectiva de transformação da vivência cotidiana do racismo que faz parte da realidade dos adolescentes. “Minha expectativa é que eles saiam do processo transformados para que possam transformar a realidade concreta deles”.

Atualmente o Onda está em três escolas, localizadas no Itapoã, no Paranoá e na Unidade de Internação de Santa Maria. Os grupos de cada escola decidem sobre o que vai ser trabalhado pelo projeto. Adolescentes do CEF 5 do Paranoá, após passarem por processos de formação, realizaram uma pesquisa na cidade para verificar qual a percepção da comunidade sobre a violência sofrida por crianças e adolescentes.

Com a sistematização da pesquisa, os e as estudantes constataram um elevado número de adolescentes vítimas da violência letal na região. E não foi difícil associar este quadro ao genocídio dos jovens negros do país, um dos temas trabalhados nas oficinas. A constatação por eles e elas de que a naturalização do racismo invisibiliza a violência que ele produz, além dos dados levantados na pesquisa, motivou a produção da campanha para a valorização da cultura, história e beleza negra.

“Eu vejo com muito orgulho os meninos e as meninas se apropriando da consciência da identidade racial e aprendendo a identificar as manifestações de racismo no cotidiano. Assim como foi importante reconhecer o quanto a escola ainda não contempla a nossa história e omite os/as intelectuais negros/as e referências culturais dos conteúdos das aulas. É bonito vê-los/las alegres e orgulhosos/as de serem quem são, fortes e determinados/as a lutar por uma escola sem violência e sem racismo”, afirma Márcia Acioli, assessora política do INESC (Instituto de Estudos Socioeconômicos) e arte educadora do Projeto Onda.

Ações do documento

Comentários (0)

Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png