Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2017 Junho Carga tributária brasileira precisa ser redistribuída para ser mais justa
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2017 Junho Carga tributária brasileira precisa ser redistribuída para ser mais justa

Carga tributária brasileira precisa ser redistribuída para ser mais justa

Publicado em 05/06/2017 00:15

A desigualdade entre o que é cobrado sobre a renda e sobre o consumo dos brasileiros chegou a um ponto que (quase) ninguém mais consegue ser contra uma reforma que promova a justiça fiscal e tributária.

Semana passada participamos do programa Expressão Nacional da TV Câmara para debater a injustiça tributária no Brasil. Além de nossa assessora Grazielle David, estavam presentes Guilherme Gonçalves, presidente da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) e os deputados Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e Ênio Verri (PT-PR), respectivamente relator e vice-presidente da Comissão de Reforma Tributária da Câmara dos Deputados. Qual não foi a nossa surpresa em ver que entre os convidados havia um grande consenso: a carga tributária brasileira precisa ser redistribuída para ser mais justa.

"Esse é um momento muito único, de praticamente consenso: nós precisamos de uma redistribuição da carga tributária. Ninguém falou em aumentar, ninguém falou em diminuir, nós falamos em redistribuir a carga tributária", afirmou Grazielle durante o programa. "Isso é um momento muito especial e tem que ser aproveitado. Essa comissão da reforma tributária está ativa e com grande capacidade de fazer uma mudança importante para o país."

Assista abaixo ao programa na íntegra:

Durante suas intervenções, Grazielle lembrou que a composição da carga tributária no Brasil é perversa e injusta, porque tributa de forma indireta o consumo, penalizando desproporcionalmente aqueles que ganham menos. "Se eu vou a um supermercado e compro um produto, e eu ganho dois salários mínimos, pago o mesmo imposto que uma pessoa que ganha 20 salários mínimos." O cenário brasileiro é de uma tributação que, em vez de redistribuir, amplia a concentração de riqueza no país, penalizando quem menos recebe.

"No Brasil, quem ganha pouco mais de R$ 1.900 reais já sofre a mordida do Leão. Se a tabela do Imposto de Renda fosse corrigida todos os anos, esse valor subiria para quase R$ 3.500. Não bastasse isso, quem ganha até dois salários mínimos destina 49% dessa renda somente para pagar impostos. Mas, para os que recebem acima de 30 mínimos, esse percentual cai para cerca de 26%."

Grazielle frisa que o tributo não é um mal em si, não é um veneno. Ele tem um propósito e é preciso resgatar isso. "Para que existe tributo, afinal de contas? O tributo serve para financiar as necessidades da população, para organizar um Estado, para garantir infraestrutura, para permitir inclusive a economia fluir, a movimentação econômica, e garantir direitos."

E é nesse propósito de organizar um Estado e de garantir direitos que a gente tem o tributo, afirma Grazielle. O tributo não é um problema em si, o problema acontece quando ele é mal distribuído. "Por isso é tão importante fazer uma redistribuição da carga tributária. Hoje a gente enxerga o tributo como algo ruim porque ele é tributado de uma forma incorreta. Ele pesa desproporcionalmente sobre as pessoas. E como ele pesa desproporcionalmente, as pessoas naturalmente vão falar que ele é ruim."

A Justiça Fiscal tem a ver com a arrecadação e com a alocação do recurso do tributo, explicou Grazielle - e os demais convidados concordaram. Na parte da arrecadação, a pessoa sente o peso porque esse tributo vem mais indireto. Tudo que ela compra, já que metade da carga tributária é sobre o consumo, acaba pesando sobre a vida da pessoa. Por outro lado, aqueles que mais têm não sentem peso algum, porque a tributação sobre a renda é praticamente inexistente em nosso país. "Se formos comparar com os demais países, é metade do que a média mundial. A gente cobra a metade do que outros países cobram da renda e o dobro sobre o consumo. É muito desproporcional."

"A gente fez um levantamento no Inesc que mostra que o gasto tributário no Brasil está chegando a 5% do PIB, isso dá cerca de 20% da arrecadação. Então 20% do que é arrecadado está indo para gastos tributários, sem controle efetivo. Está sendo distribuído sem justificativa de fato e sem controle de sua efetividade."

Vamos falar sobre Justiça Fiscal?

Se interessou pelo tema? Inscreva-se para receber nosso boletim por email!

Ações do documento
Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png