Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2015 No dia da Visibilidade Trans, Inesc reafirma sua bandeira de luta pela população LGBT
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2015 No dia da Visibilidade Trans, Inesc reafirma sua bandeira de luta pela população LGBT

No dia da Visibilidade Trans, Inesc reafirma sua bandeira de luta pela população LGBT

Publicado em 29/01/2015 13:35

Apesar de avanços como o nome social no Enem e o recém-criado projeto da Prefeitura de São Paulo, a transfobia continua a fazer vítimas no Brasil.
No dia da Visibilidade Trans, Inesc reafirma sua bandeira de luta pela população LGBT

Foto: Diana Blok, "Eu te desafio a me amar", 2014.

O Inesc registra que hoje, 29/1, é comemorado o “Dia da Visibilidade Trans”. Nesta data, movimentos sociais e organizações que defendem os direitos da população LGBT chamam a atenção para a necessidade de garantir os direitos das pessoas trans no Brasil e no mundo, principalmente àqueles relacionados a direitos humanos e civis.

Apesar de alguns avanços, como o nome social do Enem e o recém projeto da Prefeitura de São Paulo – que garantirá a muitas pessoas trans (travestis, transexuais e transgêneros) o retorno à escola –, um dos mais urgentes desafios a serem enfrentados é a violência sistemática e recorrente contra as pessoas trans.

A homofobia, que ainda não é considerada crime no país, provocou, segundo levantamento do Grupo Gay da Bahia, pelo menos 216 assassinatos de janeiro até o dia 21 de setembro de 2014. Estatísticas do Grupo também apontam que 2013 tiveram pelo menos 312 assassinatos, o que corresponde uma morte a cada 28 horas. Os dados oficiais também são alarmantes. Segundo o 2º Relatório Sobre Violência Homofóbica 2012, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH), o número de denúncias de violência homofóbica cresceu 166% naquele ano. Travestis e transexuais representam um dos grupos mais atingidos pela violência, e também pela discriminação cotidiana que impede essas pessoas de acessarem postos de trabalho e políticas públicas básicas.

Eu te desafio a me amar: Diana Blok

Em 2014, o Inesc apoiou a realização do projeto Eu te desafio a me amar, da fotógrafa uruguaia/holandesa Diana Blok.  (Assista ao teaser aqui).

A partir das fotografias e vídeo de Diana Blok, que trazem um olhar leve e intenso sobre o universo LGBT, o Inesc promoveu diversas atividades de formação e debates sobre os direitos humanos LGBT no Rio de Janeiro e em Brasília, contando com a generosidade de importantes parceiros, como o Observatório de Favelas, a Anistia Internacional e o Coletivo da Cidade e o apoio Embaixada da Holanda, da ONU Mulheres Brasil, da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Secretaria da Cultura-DF/Museu Nacional da República, entre outros parceiros.

O catálogo do projeto Eu te desafio a me amar, de Diana Blok, reúne imagens e depoimentos de personalidades, famílias e militantes LGBT no Brasil. Artistas como Ney Matogrosso e Ellen Oléria fazem parte do livro. Também estão retratados João Nery e Marcelo Caetano, ativistas; e Jean Wyllys, jornalista e deputado federal que defende os direitos da população LGBT.

Revista Descolad@s

Edição n. 3 da revista Descolad@s toda produzida por adolescentes e jovens do  projeto Onda, iniciativa promovida pelo Inesc, aborda o tema transexualidade por meio de entrevistas. Marcelo Caetano, primeiro estudante transexual da UnB que ganhou o direito de usar nome social, foi um dos entrevistados. Confira a entrevista completa aqui

Ações do documento

Comentários (0)

Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png