Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2008 Balanço mostra que fim da CPMF não justifica cortes em áreas sociais
Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Inesc 2008 Balanço mostra que fim da CPMF não justifica cortes em áreas sociais

Balanço mostra que fim da CPMF não justifica cortes em áreas sociais

Publicado em 28/02/2008 15:03

Radioagência NP

Clique aqui para ouvir(2´01´´ / 475 Kb) - Apesar do fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o governo não teve perda na arrecadação de impostos. É o que mostra o primeiro balanço feito após o fim da CPMF. O montante arrecadado superou os R$ 60 bilhões, valor 20% acima se comparado com o mesmo período de 2007.

A perda de arrecadação em 2008 estimada com o fim da CPMF é de R$ 40 bilhões. O governo então anunciou corte de R$ 20 bilhões no orçamento, o que pode prejudicar as áreas sociais. No entanto, o economista do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), Evilásio Salvador, afirma que a previsão de arrecadação agora tida pelo próprio governo é satisfatória e não há justificativa para cortes nas áreas sociais.

“O que compromete o nosso orçamento não é a parte social e sim a financeira. O orçamento brasileiro, depois de 1995, se tornou muito dependente da esfera financeira, ou seja, o pagamento de juros e amortizações das dívidas que compromete um terço do orçamento“.

O resultado do mês de janeiro considerado pela Receita Federal como “atípico”, pode ser explicado considerando que o ano de 2007 foi marcado por um crescimento dos salários, o que gerou um aumento da arrecadação previdenciária.

A economia brasileira cresceu no último trimestre de 2007 e os preços dos produtos – ao contrário do que era previsto com o fim CPMF, não baixaram. No Brasil, 50% da arrecadação de impostos incidem sobre o consumo, conseqüentemente com uma economia mais aquecida, arrecada-se mais.

Empresas e principalmente bancos lucraram muito em 2007, o que gerou uma maior arrecadação a partir da taxação em cima dos ganhos dos mesmos, cobrados a partir da Contribuição sobre Lucro Líquido (CSLL).

De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

 

Ações do documento

Comentários (0)

Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png