Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Seções
Você está aqui: Página Inicial Artigos Fórum Social Mundial: Rompendo os limites do possível
Você está aqui: Página Inicial Artigos Fórum Social Mundial: Rompendo os limites do possível

Fórum Social Mundial: Rompendo os limites do possível

Por Atila Roque, membro do colegiado de gestão do Inesc

O Fórum Social Mundial realiza neste final de semana a sua oitava edição, demonstrando que é possível manter viva e pulsante a energia trazida pelo processo desde a primeira edição do evento em 2001, em Porto Alegre. Ao longo desse período, o processo FSM ganhou densidade política, espalhou-se pelo mundo e revelou a tremenda capacidade inovadora contida no chamado movimento por uma outra globalização. Os eventos anuais, os fóruns regionais, nacionais e temáticos, milhares de ações, lutas e campanhas — algumas locais e nacionais e outras efetivamente globais —, realizadas sob o guarda-chuva do FSM, legitimaram o processo como expressão da diversidade dos movimentos que se contrapõem à globalização neoliberal.

 

Os primeiros três anos em Porto Alegre surpreenderam por sua novidade, pela capacidade de mobilizar milhares de pessoas e pelo impacto político no confronto com a globalização econômico-financeira. Depois ganhou raízes na Índia, em 2004, quando realizou o primeiro evento mundial fora do Brasil, na cidade de Mumbai. A Índia foi um choque cultural de grandes proporções que contribuiu imensamente para expandir o universo de pertencimentos do FSM. A presença massiva dos movimentos de pobres e excluídos, dos discriminados e submetidos, cores e sabores de um país pouco conhecido do resto do mundo, reforçou em muitos a convicção de que o destino do FSM era mesmo se espalhar pelo mundo, aceitar a diversidade das lutas e dos movimentos, sem abdicar dos preceitos expressos na sua Carta de Princípios.

 

Após um retorno a Porto Alegre, em 2005, o FSM parte para a reinvenção de novos léxicos organizativos e se propõe, em 2006, como evento policêntrico, realizando fóruns mundiais em Caracas, na Venezuela, em Bamako, no Mali, e em Karachi, no Paquistão. Em 2007, o evento mundial volta a se concentrar em apenas um país, desta vez no Quênia, na África. Em Nairóbi, o FSM não apenas realiza o que pode ser considerado o maior evento da sociedade civil mundial jamais organizado na África, mas — ainda mais importante do que isso — resgata o continente e as suas lutas para a linha de frente das lutas sociais por um outro mundo.

 

Este ano, mais uma vez, o FSM inovou em seu formato e radicalizou a aposta na descentralização, na capacidade de iniciativa das organizações das sociedades civis nacionais e na mundialização da ação política, sem sacrifício das diversidades locais.  Ao convocar para esta semana uma Jornada de Ação e Mobilização Global e escolher o dia 26 de janeiro com o Dia de Ação Global, o conselho internacional do FSM confirma a sua aposta em uma outra maneira de fazer política em tempos de globalização. Pelo mundo inteiro serão centenas, talvez milhares, de eventos, manifestações, concertos, debates — todos conectados e mobilizados em torno da idéia de que é preciso expressar o descontentamento e explorar as alternativas que brotam da vivência e das lutas sociais.

 

Finalmente, gostaria de ressaltar algumas das características do processo FSM e dos desafios que estão colocados, na minha perspectiva, diante de todas que se identificam com o que Boaventura Santos chama de “movimentos contra-hegemônicos”:

 

        Processo/evento em estado permanente de mudança. Muda-se tudo o tempo inteiro no processo FSM desde o primeiro evento. Com isso, o Fórum se reconhece e quer ser reconhecido como espaço de invenção permanente de novas formas de fazer política e experimentação. Contra o velho mundo da política e da ideologia neoliberal não se trata de erguer outro dogma, mas sim reconhecer a diversidade e disputar os conceitos de justiça social, direitos e democracia;

 

        Aposta deliberada na mundialização das lutas por outra globalização. As lutas sociais modernas são potencialmente mundiais, mesmo quando localizadas, o que renova o conceito de solidariedade internacional a partir de processos de conhecimento e auto-reconhecimento, entre atores sociais distintos, que criam novas identidades políticas, plurais e multiculturais;

 

        Catalisador da revolta e do protesto. O processo fórum demonstrou ser capaz de catalisar um sentimento de revolta e protesto que se expressa desde a década de 1980 nas diferentes lutas contra as políticas neoliberais e a militarização. O exemplo mais impressionante disso foi a mobilização mundial contra a guerra do Iraque no dia 15 de fevereiro de 2003, quando cerca de 11 milhões de pessoas se mobilizaram em cerca de 800 cidades do mundo. Na ocasião, o New York Times descreveu a sociedade civil global como sendo o “a segunda superpotência” no mundo;

 

        Ampliou o campo do possível e fortaleceu o sentido utópico da ação política. O FSM faz parte de um processo — expresso nas manifestações de Seattle e em muitas outras manifestações da revolta global — de ruptura com o mantra da falta de alternativas, do modelo único, do fim da história e todas as teorias paralisantes e conformistas difundidas pelas mídias dominantes. Ao dar visibilidade às lutas e propostas nascidas de mobilizações e lutas de resistência em diferentes partes do mundo, o processo FSM amplia o campo do possível e resgata e alimenta as utopias;

 

        Incorporou à esfera pública global setores e movimentos antes excluídos ou marginalizados, ampliando e diversificando os circuitos de conversação política da chamada “sociedade civil global”. A diversidade afirmada como princípio é também encontrada entre os atores que participam do FSM. A mundialização permitiu a conexão entre lutas sociais que tinham o seu campo de expressão reduzido aos territórios ou temáticas específicas;

 

        “Woodstock de esquerda”. O FMS é sim uma festa, um lugar de celebração e trocas multiculturais, surpresas e descobertas de novas formas de expressão políticas, artísticas, religiosas, comportamentais, entre outras. O FSM é antes de tudo provocação simbólica, espanto com o novo, reconhecimento (auto-reconhecimento) do velho, revolução cultural no sentido pleno;

 

        Protagonismo do Sul. O FSM trouxe para o centro do debate político global uma perspectiva de luta social nascida nos países localizados no Sul político do mundo, nos países submetidos à hegemonia do Norte, dos países ricos. O fato de uma iniciativa deste porte nascer no Brasil — e a partir de Porto Alegre chegar a Mumbai, Karachi, Bamako, Caracas, Nairóbi, apenas para citar os lugares que receberam os eventos mundiais — é por si só um acontecimento político de grandes proporções. Mas o FSM também mobilizou o chamado “Sul” que vive no Norte — as lutas sociais dos excluídos da Europa e dos Estados Unidos —, elevando o patamar das relações políticas do tipo Norte-Sul. Os eventos do FSM na Europa e, mais recentemente, nos Estados Unidos, revelam o potencial do “processo FSM” para renovar a vida política nos países ricos.

 

Enquanto isso, em meio à neve, os participantes do Fórum de Davos mal conseguem domar os próprios demônios e prometem passar os próximos dias falando da crise financeira que, mais uma vez, “assusta o mercado”, esse animal sem rosto ou coração que se presta aos mais puros jogos do poder hegemônico.

 

Por tudo isso, eu acredito que o FSM já cumpriu a sua missão inicial. Reduziu o Fórum Econômico de Davos a sua pequenez simbólica, expressão de um auto-contentamento neoliberal incapaz de escapar do círculo de giz conceitual, que um dia almejou o fim da história e a vitória absoluta do mercado.

 

Agora é preciso continuar a acreditar que a mudança e as revoluções precisam ser inventadas a cada dia através das lutas sociais e do conflito. O mundo não se encontra dividido entre anjos e demônios. Deuses e diabos, sejam lá os nomes que tenham, convivem faceiros entre nós, às vezes até esquecidos deles mesmos. Apenas a participação plena de todas as pessoas, com suas contradições, erros e acertos, cores música, inquietações e sonhos, será capaz de destilar as escolhas que vão delinear o mundo em que os nossos filhos e netos viverão. Um mundo que, espero, seja colorido e diverso como Porto Alegre, Mumbai e Nairóbi. Um mundo que o processo do FSM tem sido capaz de mostrar que é possível.

 

 

24/01/2008

Ações do documento
registrado em:
« Janeiro 2018 »
Janeiro
SeTeQuQuSeSaDo
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
Apoio Institucional
  • apoio18.png
  • apoio19.png
  • apoio13.png
  • apoio10.png
  • logoCEA.png
  • apoio9.png
  • apoio6.png
  • logosnf.png
  • logobrot.png